Artigo

Pastores segundo o coração de Deus

 

Na atualidade, não existe uma figura tão desprestigiada quanto a figura do pastor. De fato, existem lobos disfarçados de pastores, que não poupam o rebanho, que estão mais interessados na lã das ovelhas do que propriamente na ovelha. Entretanto, existem aqueles que cumprem fielmente o chamado de Deus, que gastam a sua vida na propagação do Evangelho, e das ovelhas de Jesus Cristo.

 

Precisamos de homens no ministério segundo o coração de Deus. Quais são as credenciais de um pastor segundo o coração de Deus? Em primeiro lugar, pastores segundo o coração de Deus primam pela fidelidade e não a popularidade. Deus não nos chamou para sermos populares, mas para sermos fiéis. O que credencia a vocação pastoral é o caráter do vocacionado. Cresce em nosso meio o carisma em detrimento ao caráter. Obreiro tem que ter vida na luz.

 

Em segundo lugar, pastores segundo o coração de Deus pregam não para agradar aos homens, mas a Palavra de Deus. A sua mensagem não visa satisfazer o ego humano, mas confrontar os ouvintes com as verdades da Palavra de Deus. Essa Palavra, quando pregada com unção e fidelidade, transforma vidas, gera edificação espiritual e traz saúde para o rebanho.

 

Em terceiro lugar, pastores segundo o coração de Deus não fazem do ministério uma plataforma de privilégios, mas de serviços. Pastor é servo de Deus e do rebanho. Pastor que está no ministério visando lucro, reconhecimento, está trilhando a vocação errada. O apóstolo Paulo faz uma observação assaz: Devem ser considerados merecedores de dobrados honorários os presbíteros que presidem bem, com especialidade os que se afadigam na palavra e no ensino (I Tm 5.17). Ministério não é para gente preguiçosa. O pastor deve se afadigar no estudo da Palavra e do ensino.

 

Em último lugar, pastores segundo o coração de Deus priorizam e amam a família. O apóstolo Paulo diz que aquele que não cuida dos seus, especialmente os de sua casa, é pior do que infiel. O primeiro campo de trabalho de um pastor é a sua casa. O pastor deve amar sua esposa e filhos, ser exemplo para eles. 

 

Jamais o ministério pode estar à frente de sua família. Muitas esposas de pastor enxergam a Igreja não como aliada, mas como inimiga, porque elas ficaram em segundo plano. O pastor precisa colocar um freio quando a Igreja exige dele exclusividade. E a Igreja, por sua vez, deve ser mais sensível à realidade do pastor.

 

Sou grato a Deus pela chamada pastoral, pela esposa maravilhosa que me concedeu, e a Igreja no qual tenho o prazer de pastorear. Faço das palavras do apóstolo Paulo as minhas. Vocês são minha coroa. Que Deus os abençoe, em nome de Jesus.

 

Por: José Manuel Monteiro Jr.

Pastor colaborador de O Jornal Batista